Rio, cidade canteiro de obras

O Rio de Janeiro vive a velha ebulição de obras de maquiagem que antecedem todas as eleições municipais. Em seus últimos suspiros, o governo de Cesar Maia tenta imprimir um ritmo mais rápido nas regiões onde geralmente seu partido recebe mais votos de eleitores: Barra da Tijuca e Zona Sul, bairros de classe média alta da cidade.

Mapa da Gávea

Mapa da Gávea

Nas últimas semanas, o que mais se vê na paisagem do Rio são canteiros de obras. Ipanema, Copacabana, Leblon, Botafogo, Barra, a cidade virou um canteiro de obras. E não é diferente no bairro onde moro, a Gávea. Localizado entre o Jardim Botânico do Rio e a praia do Leblon, o Morro Dois Irmãos e a Lagoa Rodrigo de Freitas, a Gávea é o bairro com o maior IDH do estado, pequeno e muito residencial, onde ficam a PUC-Rio, uma das maiores faculdades do país, e o Planetário, além de vários teatros e o famoso Baixo Gávea, local boêmio, com bares frequentados pela juventude carioca.

 

Somente na semana passada foram duas novas obras no bairro, a da Rua dos Oitis e a da Praça do Jóquei. Ambas, segundo a secretaria municipal de obras, com o objetivo de reduzir as enchentes que acontecem no verão e alagam a próxima Rua Jardim Botânico e suas redondezas. 

Obra Rua dos Oitis

Obra Rua dos Oitis

Apesar dos transtornos, os moradores da região entendem a necessidade dessas manutenções periódicas. Há cerca de dois meses, uma tubulação da Cedae (companhia de água e esgoto) se rompeu na região, provocando um engarrafamento com reflexos em vários pontos da zona sul da cidade. Nesse caso perdem todos e não só quem mora no bairro. A grande questão é que muitas vezes as obras acontecem sem planejamento, avisos para os moradores e causam uma desordem urbana e na vida de quem vive no bairro.

 

Foi exatamente o que ocorreu na última semana. Como as tubulações são antigas, ao iniciar as obras, os operários se depararam com a necessidade de levar a nova tubulação até a Rua Major Rubem Vaz, o que fez com que o trânsito naquelas pequenas vias fosse completamente interrompido na última terça-feira.  Com a interrupção, o recolhimento do lixo também foi prejudicado, atrapalhando a vida de quem mora, estuda (a rua conta com duas escolas e um curso de inglês) ou simplesmente passa pelo local.

  

Apesar de ter o maior indicador de desenvolvimento humano do estado, o bairro sofre ainda com a forte desvalorização de imóveis em sua região mais alta (o Alto Gávea) devido à sua localização próxima às encostas de duas favelas que só fazem crescer: a Rocinha e a do Parque da Cidade. Há dois anos, uma série de conflitos entre facções que 
Tentam controlar o tráfico nas duas favelas vem assustando os moradores da área, muitas vezes acordados no meio da noite com o som de tiroteios. 

 

E você? Como anda a situação de obras e violência no bairro onde você mora?

O que você espera de mudanças com a nova gestão municipal? O que você acha que deve mudar?

Anúncios