Jornais impressos: quem quer enxergar a verdade?

Li no fim de semana a entrevista com Juan Luis Cebrián, fundador do El País, tradicional jornal espanhol, “As mudanças chegam com velocidade impressionante“, que saiu no Globo, e continuo não entendendo essa visão de que as coisas estão legais para os jornais por aqui. Sinceramente, qual a dificuldade que as pessoas, que por acaso são jornalistas, tem de ver os fatos?

Eles parecem preferir viver de ilusão. Uma pena. Líderes equivocados. A chance, se é que existiu, já passou. Agora é ver o que a tsunami vai deixar em pé por lá. E depois por aqui, porque já chegou aqui também. Os jornais brasileiros usam números de jornais “não qualificados”, como gostam de classificar, para justificar o investimento em produtos “qualificados” que não tem mais o que dar de resposta. Tudo errado.

E se os espanhóis vierem para o Brasil mesmo, não conseguirão nada. Aqui também há uma crise profunda em marcha. Ou eles acham que o fato de não termos mais concorrência no Rio, por exemplo, é algo normal? É a maior prova de que não há mais um mercado em potencial, já que não há competição. Os jornais seguem fechando por aqui, mas ninguém prefere enxergar isso, né?!

E outra coisa: desde quando os jornais vivem de circulação? O problema é ainda mais visível quando olhamos a receita publicitária, em queda há anos.

O negócio jornal impresso aqui está com seus dias contados. Portanto, por favor, não venham para cá trazer seus negócios falidos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s